quarta-feira, 30 de março de 2011

A Formiga

Escrevi após ter lido O Pequeno Príncipe



Não é a ingenuidade que nos comove

Somos todos tão ingênuos

Que até nossa malícia

Dá pena, por ser boba

Por almejar espontaneidade

Somos todos tão ingênuos


Que a profundidade não nos alcança

E que a as alturas não nos afligem

Por que não as percebemos ante os olhos

Somos tão pequenos

E em nossas coisas pequeninas

Somos tão cegos

Tão bobos

Tão adultos

Tão sozinhos.


E a formiga que passa, pequena princesa,

Ainda se comove

Por olhar-nos debaixo, mas enxergar-nos de cima.



Thaís Carvalho


4 comentários:

  1. Ameiiii o texto,vc escreve muito bemmmmm.

    ResponderExcluir
  2. mto bom! pena q parei no outro príncipe, o de maquiavel. rs

    ResponderExcluir
  3. Um dos livros que mais me marcaram. E agora li teu texto que diz muito do que eu pensava...

    ResponderExcluir